sábado, 26 de agosto de 2017

Caracteristicas da Beterraba



Vegetal rico em nutrientes
A beterraba é uma raiz tuberosa rica em açúcar, proteínas, vitamina A, B1, B2, B5, C, potássio, sódio, fósforo, cálcio, zinco, ferro e manganês. Além de se destacar por ser o vegetal mais doce, destaca-se pela sua riqueza em ferro. Sua poderosa vitamina C é potencializada por sua ação antioxidante (alguns pesquisadores dizem que a vitamina C da beterrada só é metabolizada pelo organismo quando consumimos o vegetal cru). 




Dentre os benefícios que traz ao organismo pode-se destacar: combate contra a anemia, a perda excessiva de líquidos, problemas no baço e fígado, prisão de ventre e outros. Pode ser consumida crua ou cozida, sob a forma de sucos, saladas, bolos, refogados e em omeletes. 
Para comprar beterraba certifique-se de que a coloração se encontra concentrada e ainda atente para o tamanho. Beterrabas médias e pequenas são as ideais. A casca deve estar lisa e as folhas brilhantes.

A beterraba é um vegetal muito versátil e uma ótima boa fonte de folato e vitamina C. Pode ser fervida e servida como acompanhamento, usada em conserva, salada ou condimento. As folhas da beterraba, partes mais nutritivas do vegetal, podem ser cozidas e servidas como espinafre ou a acelga. As beterrabas mais saborosas são as pequenas, com as folhas ainda pressas.
A melhor maneira de cozinhar as raízes da beterraba é fervê-las com casca, pois assim a maior parte dos nutrientes e a cor vermelha permanecerão. Depois que esfriarem, as cascas sairão facilmente e a raiz poderá ser fatiada, ralada, ou ser transformada em purê. As beterrabas podem ser servidas como picles (conservas preparadas com vinagre).



As beterrabas são classificadas em três tipos: a açucareira, usada para produção de açúcar, a forrageira, usada para alimentação animal e aquela cujas raízes são consumidas como hortaliça, sendo a mais conhecida no Brasil.

Embora produza melhor em épocas de clima ameno, a beterraba é cultivada durante todo o ano. Quanto aos solos, são preferíveis aqueles leves e bem drenados.

O cultivo pode ser feito direto no canteiro ou por meio de mudas, porém, a segunda forma apresenta melhores resultados. Em ambos os casos, tanto no preparo das mudas nas semeadeiras como no plantio direto na terra, a distância deve ser de 25 a 30 centímetros entre as fileiras e a mesma distância entre si.

Os agrônomos recomendam que a adubagem seja feita com compostos orgânicos e adubo químico e a irrigação deve ser leve e freqüente.

A colheita tem início entre 60 e 70 dias após a semeadura, ou quando as beterrabas atingirem diâmetro maior que cinco centímetros, ainda tenras. Pelo método de transplantio das mudas, o ciclo se prolonga por mais 20 ou 30 dias.

Após a colheita, as raízes são lavadas e, em seguida, comercializadas em maços ou em caixas tipo K. A produtividade normal varia de 15 a 30 toneladas de raízes tuberosas por hectare. A rotação da cultura deve ser feita com repolho, alface, cenoura, berinjela, adubos verdes e cereais.

As pragas comuns nas lavouras de beterraba são lagartas, nematóides, vaquinhas e pulgões. Já as doenças que mais atingem as plantações são a mancha-de-cercospora, podridão da raiz, mancha de alternaria, ferrugem e míldio.

As principais variedades plantadas no país são Tall Top Early Wonder, Earty Wonder, Asgrow Wonder, Ruby Queen e Detroit Dark Red.

No Brasil, a beterraba é mais cultivada nos estados de São Paulo, Minas Gerais e nos estados da região Sul.


Beterraba

A beterraba é uma raiz que aparece em duas colorações: branca, de onde se extrai o açúcar; e vermelha, que é utilizada na alimentação.

Além do açúcar, esse legume é muito rico em vitaminas A, do Complexo B e vitamina C (que só é aproveitada pelo organismo quando a beterraba é consumida crua) e, em sais minerais, como Sódio, que protege o organismo contra a perda excessiva de líquidos; Potássio, necessário para a atividade muscular normal; Zinco, elemento necessário aos tecidos cerebrais; e Magnésio, que é constituinte do osso e regula as funções musculares e nervosas.

Esta hortaliça é recomendada para anêmicos por sua riqueza em Ferro, para quem tem dentes fracos ou gengivas inflamadas e aqueles que tem problemas intestinais, devido a seu efeito laxante. As pessoas com dentes fracos, atacadas de piorréia, devem fazer uso do suco de beterraba pelo menos três vezes por semana.

A beterraba também é um ótimo remédio para combater os desarranjos do baço e do fígado, enquanto que suas folhas em forma de cataplasma, com um pouco de gordura, são empregadas como refrescantes nas feridas da pele e inflamações em geral.

Para os que sofrem de pedras na bexiga, um remédio eficaz é ferver uma beterraba e tomar seu caldo três vezes ao dia.

O suco de beterraba, por sua vez, é tônico, refrescante e diurético, e combate a litíase renal, descongestionando as vias urinárias.

Ao comprar, escolha beterrabas de cor bem concentrada e tamanho médio. A casca deve ser lisa, sem rachaduras e com folhas brilhantes, sinal de que o legume está fresco. Ao cozinhar essa raiz, deixe 3cm de talo e não corte sua parte terminal.

Esses cuidados evitam que a beterraba perca líquidos durante o cozimento, o que acentua seu sabor e a deixe com cor mais concentrada.

A beterraba pode ser consumida de diversas maneiras: temperada com suco de laranja, que lhe dá um sabor diferente, deixando-a mais gostosa; pode ser frita, como batatas; batidas no liquidificador com leite; em sopas com outros legumes, ou ainda cozida e servida em forma de saladas. São pratos muito nutritivos.

Seu período de safra é de agosto a fevereiro.

Cem gramas de beterraba fornecem 42 calorias e igual quantidade de folhas desta hortaliça fornecem 38 calorias.

A beterraba é uma raiz

Existe a beterraba branca, de onde se extrai o açúcar, e a vermelha, usada em saladas, sopas, suflês, sucos, etc…

A beterraba é muito rica em vitamina A, vitamina C, e do Complexo B.

É recomendada para combater a anemia, por conter uma grande quantidade de ferro, e tem efeito laxante.

Em 1747, um alemão, Margraff, extraiu o açúcar da beterraba, mas industrializá-lo ainda ficava inviável, devido ao preço de custo.

Em 2 de janeiro de 1812, Delessert, que concretizava a extração industrial do açúcar da beterraba, oferece a Napoleão I o primeiro pão de açúcar.

Este mercado foi crescendo, e em 1875, a França, primeiro produtor de açúcar da Europa, produzia 450 mil toneladas.

Para evitar que a beterraba perca muito liquido durante o processo de cozimento, deixe 3cm de talo, e não corte a sua parte terminal.

Variedades

São as seguintes:

Vermelha Chata do Egito
Redonda
Roxa Comprida

Pragas e Moléstias

Os insetos que atacam são a vaquinha, a lagarta-rosca e a larva-minadora das folhas. As moléstias mais comuns são a podridão da raiz, mancha alternária (folhas), o tombamento e a ferrugem.

Curiosidades

A extração industrial do açucar de beterraba começou por volta de 1805, em face do bloqueio continental imposto por Napoleão.





Nenhum comentário:

Postar um comentário